quinta-feira, 10 de abril de 2014

Sobre Escolhas - Caminho do Autoconhecimento


E daí você chegou lá, nesse lugar que parecia distante, dentro de você. Ali encontrou algumas respostas, sobre de si mesmo. Percebeu que é dono do seu destino, e que a força que precisa para seguir vem de você, porque você é um ser de luz e tem nas mãos o poder de escolha. 


Parabéns! Esse é um momento mágico na vida gente, quando descobrimos que estamos no comando e conduzindo o leme das nossas vidas. Uma revelação que pode causar medo, ao descobrirmos que a nossa vida está em nossas mãos, e não nas mãos de um destino imutável. A quem culpar agora?

Mas pense, sempre foi assim, de que vale ficarmos nos enganando. A quem estamos enganando, se não a nós mesmos. O que é o destino, se não a resposta do Universo as nossas ações? O agora o resultado do ontem, não importa quanto tempo se tenha passado. E o futuro? Esse leme que temos nas mãos, onde decidimos para onde queremos que ele vá.  

Usar o poder de escolha não doí e é um exercício que deveríamos praticar desde cedo. Mas ele exige responsabilidade para assumirmos as consequências das nossas escolhas. Algo que é preciso aprender também. Precisamos ser instruídos, e essa é uma tarefa legada a princípio, aos pais. Precisamos ser fortalecidos nessa caminhada para enfim, tomarmos posse do que é nosso por direito: o livre-arbítrio. 

Mas as histórias são diferentes e a maioria de nós tem que cavar fundo para descobrir essa pedra bruta e transformá-la em diamante. Por isso, muita gente se deixa levar pela vida, fazendo escolhas, sem a plena consciência do poder de decisão que tem nas mãos. Outras preferem se manter em cima do muro, escolhendo não escolher, e preferindo acreditar que não tem escolha; ou acreditar que a entregou nas mãos de alguém, por algum propósito maior. Mas isso também é uma escolha. 

Sempre temos escolha!


Não escolher ainda é uma escolha. A escolha de se manter no mesmo ponto; na mesma situação; na mesma visão de mundo, mesmo que ela seja conflitante, difícil e limitante.

Assumir nossas escolhas pede coragem para mudar e tomar uma posição firme diante da vida. 

Por mais difícil que seja uma situação, sempre existirá uma saída para quem tem vontade de encontrar saídas; mas com certeza nunca haverá portas para quem só constrói muros.


Muita gente vive a vida que acha que a vida escolheu para elas, e acreditam que deve ser assim. Mas a nossa história é escrita por nós mesmos. O fato de uma criança nascer na favela não significa que ela terá que ser um marginal. Mesmo em um ambiente hostil, que não oferece muitas opções, ela ainda tem dentro de si o poder de mudar e escolher fazer diferente.

Sempre temos! Somos seres dotados de inteligência, e somente nós podemos escolher o lugar em que iremos aplicá-la. 

Todos nós temos o poder de fazer diferente e melhor. Nosso berço não nos macula com um destino imutável, porque a vida não é imutável, ela se transforma todos os dias, e nunca um nascer do Sol será igual ao outro. E voltando a falar de saídas, sempre temos uma, e ela não significa apenas tomar uma atitude de mudança de rumos, como por exemplo, sair do emprego. De repente você não está pronto, não é prudente, existem outras questões que precisam ser consideradas. Muitas outras saídas podem ser encontradas, por exemplo trabalhar o modo como se vê a situação, e isso pode ser muito transformador e até ajudá-lo a continuar e crescer dentro no mesmo lugar.


Mudar posturas e mudar o modo como vemos uma questão, pode ser tudo o que precisamos para dar uma nova cara a uma velha situação, e isso implica em uma escolha. Escolher mudar a visão de mundo, romper com crenças, e até mesmo render-se a uma situação. E olha que isso é muita coisa. 

Escolher é acima de tudo um ato de responsabilidade. De responder ao mundo com consciência e entender que, o que a vida nos manda é uma resposta a uma ação da qual nem sempre temos consciência, mas que promovemos lá atrás, isso é algo que não podemos esquecer. 

Somos seres livres para escolher, esse é um direito que nos pertence, por isso jamais devemos transferi-lo para ao outro. Como se o outro pudesse realmente tomar isso para si. 

Aproveite o seu direito com sabedoria. E boas escolhas. 


Texto de Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Autoconhecimento - O caminho de todos nós

Autoconhecimento! A quem interessa essa busca?


Teólogos, filósofos, cientistas, pessoas comuns? Não importa o papel que representemos no mundo, ele interessa a todo o Homem que quer desvendar o próprio Homem e com isso, a si mesmo. Por isso, com certeza ele interessa a todos nós.

As buscas por esse interior não tem um caminho, mas muitos. Algumas pessoas nem se dão conta, mas a cada passo da vida se está diante de um despertar.  A vida nos manda sinais a todo o momento. Uma sabedoria que nos pega pela mão, uma força inteligente e invisível aos olhos comuns, que nos conduz por essa trilha sem mapa. 

E são tantos os benefícios e ganhos do autoconhecimento, e também, as perdas e as dores pelas quais é preciso passar se quisermos colher os seus melhores frutos. É preciso aprender a abandonar, desprender-se do que não serve mais, nesse caminho para dentro. Que pode ser mais fácil para alguns, e extremamente difícil e doloroso para outros. Mas raramente sem esforço.

Reconhecer a si mesmo não é uma tarefa simples, requer acima de tudo coragem para encarar desafios; encarar aquelas partes de nós que temos vergonha de assumir que existem. Ele pega na ferida, rompe a casca e nos faz olhar os porões onde muita coisa se esconde. Um caminho que nos fragiliza, antes de nos fazer mais fortes. 

Autoconhecimento nos pede responsabilidade e compromisso por nós e pelo outro; pelo mundo. Nos faz compreender que somos parte de um enredo muito mais complexo, uma engrenagem em meio a milhares, onde as vidas se entrelaçam e onde cada ação individual reflete no todo, agitando ou acalmando o mar de sentimentos no qual todos nós estamos mergulhados. Onde tudo que fazemos, sentimos ou pensamos reverbera no um e no todo, e que isso modifica, altera e transforma o mundo a nossa volta e a nossa própria vida. Descobrir e reconhecer isso é realmente uma grande responsabilidade; que somos responsáveis não apenas pela nossa vida mas pela vida do mundo; que tudo que fazemos está sendo contabilizado nos registros do universo e que teremos que responder por cada um deles.  


Autoconhecimento nos abre os olhos para outras visões de mundo, a partir do nosso próprio modo de ver o mundo, e nos faz perceber que ele é apenas um dentre muitos, talvez nesse ponto já estejamos prontos para respeitar, para sermos respeitados. Nos leva a compreensão das nossas reais necessidades; nos leva ao essencial da vida. Ajuda a vasculhar o mundo interno para descobrir a morada do coração. E não é lá que mora a nossa felicidade? Essa é a parte boa, mas para chegar até ela muitas serão as pontes que teremos que atravessar.

Autoconhecimento é o projeto da vida para o resgate da alma, onde nos abrimos para outras percepções e questões mais profundas da vida e da própria existência. Empreender essa trilha é trazer de volta a nós mesmos, o verdadeiro eu, através do nosso reflexo no outro. É o caminho certo por atalhos e abismos para o encontro com a nossa luz, através das sombras e da luz, a nossa e a dos outros. 

Autoconhecimento nos dá asas ao descobrirmos que somos donos dos nossos destinos, porque temos nas mãos o exercício do livre-arbítrio. É resgatar a própria individualidade, sem perder a conexão com o Todo. Entendendo que somos uma estrela que brilha, mas que não brilhamos sozinhos. 


Texto de Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional