quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

CABEÇA DO DRAGÃO

Cabeça do Dragão foi o nome que eu batizei o meu blog. Ele foi eleito com um propósito e que estava ligado ao seu significado. Hoje depois de algum tempo resolvi sentar para falar um pouco sobre a sua representação. Seu significado fala muito para mim, por isso merece um destaque neste recomeço.

O que é Cabeça do Dragão? 

Na Astrologia onde eu me inspirei, Cabeça do Dragão é o nome que damos ao Nódulo Norte, e que no Mapa Astral representa o vir a ser; a direção a seguir; os potenciais a serem desenvolvidos, nesta nova experiência de vida. Em oposição a ele, encontraremos o Nódulo Sul ou Cauda do Dragão, como também é conhecido. O Nódulo Sul representa o passado, e trás consigo hábitos e memórias que não servem mais aos objetivos desta nova vida. Astronomicamente, os nódulos lunares são pontos no espaço onde a órbita da Lua ao redor da Terra cruza a eclíptica (percurso aparente do Sol ao redor da Terra).

Por representar o vir a ser, a Cabeça do Dragão é para onde devemos direcionar nossa atenção, indicada pela casa e signo onde se encontra no Mapa Astral. Esse é o lugar onde precisamos nos aventurar para evoluir. Ela é o novo ainda não experimentado e que aguarda por nós. Segundo a Astrologia Cármica o Nódulo Norte ou Cabeça do Dragão simboliza a área de maior expressão que se pode atingir nesta vida.

Se tomarmos a ”Cabeça” simbolicamente como a parte de nós por onde flui todo o material criativo e de idéias, e que devemos aprender a trazer para prática, atingi-la plenamente pode levar a vida inteira, até porque antes disso teremos que nos desprender da Cauda, uma herança do passado que se expressa naturalmente. E quando se trata de ações instintivas, somente a conquista da consciência poderá nos ajudar a romper com o passado (Cauda) para alçar o voo em direção ao futuro e as suas promessas (Cabeça).

O Dragão quererá voar e, mesmo com dificuldades, lutará para desprender sua Cauda que o mantém atado ao passado e o impede de ir mais longe. A grande magia da vida é que mesmo isso não será suficiente para impedi-lo de voar. Não importa o tempo, um dia o Dragão dentro de nós falará mais alto e bravamente quebrará as correntes que o prendem a Cauda.

Como diz Martim Schulman no livro Nódulos Lunares: “O novo ciclo do Nódulo Norte é um novo problema ainda por resolver: é o descontentamento do Homem com os modos antigos e ineficientes de viver que utilizava em seu passado, somado ao grande desejo de descobrir e explorar os maiores potenciais do seu futuro.”

E é em direção a esse futuro que estamos construindo cada agora, por isso não se deixe conduzir pelo destino, resultado dos muitos passados já vividos. Em outras palavras: se o Agora é a soma das experiências passadas, o Futuro será o resultado do Agora, isso significa que o hoje é onde tudo pode começar.



Por Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

2012 E O FIM DO MUNDO


Meu amigo cético disse no início do ano: 2012 chegou e o mundo não acabou. Essas palavras coçaram a minha mão e agitaram a minha cabeça, por isso estou aqui escrevendo estas linhas.  Uma boa maneira de começar o ano e recomeçar o meu blog, que já fazia muito tempo não escrevia.  Claro que o comentário dele é o arremate de um adorável cético para toda aquela polêmica do fim do mundo que, segundo o Calendário Maia, vai deflagrar em 21 de dezembro deste ano. Por isso poderia dizer a ele com um sorriso nos lábios: Calma o ano ainda não acabou.

Como Astróloga, acredito em períodos e ciclos favoráveis ou desfavoráveis, nos quais podemos nos guiar para agir em conformidade com eles e tirar o melhor proveito. Mas quando ouço sobre datas para o fim do mundo, filmes entre outras coisas eu me pergunto: O que importa a data para o fim do mundo?  No que isso muda as nossas vidas, tirando o óbvio? Por que tanta expectativa com algo que cedo ou tarde vai acontecer para cada um? É interessante ver como essas datas, colocadas como ponto focal de uma grande mudança ou mesmo de destruição, provoca reações tão diversas. E tem muita gente ainda presa a elas, na expectativa de ver alguma coisa mudar. 

Creio que por trás dessa ansiedade exista um desejo de que algo fantástico aconteça, e quem sabe com isso o mundo se torne um lugar melhor para viver. Seria maravilhoso se fosse assim simples: O mundo acaba e finalmente a paz. Acreditar que haverá uma paz para além das cortinas do fim do mundo, ou que ele mudará de cor porque uma data chegou, parece um tanto ingênuo. Pautar nossas vidas em fatores externos para que uma mudança aconteça, sem que ergamos um dedo se quer, não irá promover milagres. Se não fizermos nada para conquistar a paz, o que nos faz pensar que uma data poderá fazê-lo?

Mesmo que exista um propósito divino em datas e ciclos, eles resultarão em nada se não fizermos algo a respeito. O céu pode nos apontar uma estrela, mas se você ficar apenas olhando para ela, nada vai acontecer. É preciso trabalhar o Homem interior e tomar consciência de cada pensamento e ato que projetamos para o mundo. Não haverá uma data, nem um salvador capaz de nos dar aquilo que deve ser buscado por nós.

A data do fim do mundo é um chamado simbólico a mudança, a transformação e a conquista de uma nova percepção de nós mesmos, do mundo e dos nossos propósitos dentro dele. A história nos ensina sobre as muitas revoluções que já vivemos em direção a evolução da humanidade, é momento para uma nova revolução: A Revolução Interior. E que ela seja em prol de um ser humano melhor, de um você melhor e com isso, de um mundo melhor. E deixemos o fim deste mundo, para aqueles que já morreram.

2012 pode ser muitas coisas, mas principalmente o que você fizer dele.


Por Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional