quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Você é a sua empresa.

Não importa o tamanho de uma empresa, grande ou pequena, ela sempre terá como base as crenças do homem que a criou. Empresas possuem personalidade própria, que vai se formando pela soma dos indivíduos que a compõe, aliada aos ideais desse homem. Falar de empresas é falar de pessoas. Falar de pessoas é falar de você.

Se você é empregado observe, com um pouco de atenção vai notar uma sintonia, mínima que seja com o grupo a qual pertence. Pode ser que esta não seja a melhor das revelações. Talvez nessa breve observação você tenha constatado que não gostou do que viu, mas se sente impotente diante da situação. Não
se engane, porque você é parte ativa de tudo isso.

Você pode dizer: Você está querendo insinuar que eu estou nessa porque eu quero? E eu vou responder: Sim! Você é responsável em algum nível por aquilo que vive. Somos co-autores dos ambientes com os quais interagimos, e o trabalho é só um deles. Isso pode chocar um pouco, mas é fato.

A visão que temos do mundo é apenas a nossa, e podemos negá-la quando nos incomoda. Isso pode gerar aquela sensação de que o mundo está contra nós. Na verdade, ele está no sentido contrário das nossas visões, apenas isso. O problema é como sair dessa. O caminho da auto-avaliação pode ser um bom lugar para se começar.

Mudar a visão das coisas pode mudar tudo. Requer esforço, dedicação e avaliações internas. Essa mudança deve vir de dentro; de você para o mundo. Se você acha que o mundo - que pode ser substituído por empresa - é que tem que mudar, já está pegando o caminho errado. E esse negócio de esforço é algo que já freia muita gente logo de cara. Gente que não está muito interessada em se mexer, e deixa por isso mesmo. Vencer a “ZONA DE CONFORTO” é um dos maiores desafios dessa empreitada. Por isso é mais fácil acreditar na própria impotência, a correr riscos.

Assumir a parte que nos cabe pela criação do meio em que vivemos, é um passo adiante em direção ao novo, e isso, infelizmente, não é para todo mundo. MUDANÇA + RESPONSABILIDADE pode provocar calafrios em muitas espinhas dorsais. As coisas mudam quando mudamos a maneira como as percebemos. Aplicá-la na vida prática, é só uma questão tempo.

Por isso sugiro um novo modo de ver as coisas. Substitua a visão de empregado pela visão de empresa. Pense em você como uma empresa. Que o que pode oferecer, talvez não seja insubstituível, mas é único. Você Senhor ou Senhora das suas próprias vontades; aquele que determina as bases com as quais deseja trabalhar e as metas que anseia atingir. Mesmo dentro de normas definidas, que limitam as ações quando engajados em uma empresa, podemos promover nossas próprias diretrizes e adaptá-las as necessidades vigentes. Tem gente que já faz isso naturalmente, e você as vê brilhando, independente do cargo que ocupam. Elas seguem suas próprias leis, mesmo dentro de uma lei maior. Auto estima é tudo, não dá para deixar de mencionar.

Tente incluir esse pequeno exercício no seu dia a dia. Ele não fará você perder calorias, mas pode ser de tirar o fôlego diante das perspectivas. Talvez não o ajude a sair do emprego indesejado, mas pode favorecer uma melhor administração do seu cotidiano. Por isso como parte de uma corporação ou como um profissional liberal, não importa: faça de você uma grande empresa. Não perca a qualidade diante da crise; aprimore os seus conhecimentos; trabalhe com afinco em direção ao êxito; tenha propostas que visem o bem comum e, o seu próprio crescimento; seja ético; não perca tempo com comparações, todos têm a sua luz para brilhar e, não permita que o ambiente a sua volta, interfira no seu ânimo e nos seus projetos. Essas pequenas coisas que acontecem nos ambientes competitivos podem contaminar a sua vida e criar raízes, um risco que você não pode permitir. Quando sentir que está prestes a perder a calma tire das mangas o conhecido bom humor. Ele é a salvaguarda em momentos de stress, ajuda a clarear os pensamentos e impede o enraizamento das coisas negativas. Coloque-se acima da mesquinhez e da mediocridade, quando se deparar com elas. O importante é não perder o foco.

Se mudar a sua visão e perceber que não é apenas uma engrenagem que pode ser trocada, ao contrário, é uma peça chave do sistema, vai encontrar uma força de trabalho inesgotável. E não importa para onde você irá levar essa força, com essa postura terá garantido sempre um espaço, pois terá consigo a certeza de fazer o melhor. E isso o inflará de confiança para empreender cada vez mais, porque você como empresa é um empreendedor de si mesmo. Não estou dizendo que é fácil, porque mudar não é algo simples como trocar uma lâmpada, mas pode ser menos complicado do que se supõe.

Dê o primeiro passo, ele é sempre o mais difícil, mas se o fizer, esteja certo, ele será o primeiro de muitos.


Por Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito Grata pela visita. Seus comentários enriquecem este espaço.