domingo, 16 de novembro de 2008

Onde está o mestre?

“Quando o aluno está pronto o mestre aparece.”

Se você é uma pessoa empenhada no desenvolvimento pessoal, provavelmente já ouviu essa frase. O mestre e o pupilo. Este último, o novo herdeiro do conhecimento, pronto para recebê-lo e, futuramente, retransmiti-lo como o novo mestre, desde que é claro, se mostre digno. Esse encontro com alguém especial, que parece ter desvendado o caminho para a iluminação, capaz de estender-nos a mão e nos tirar do abismo em que acreditamos estar; nos revelar mistérios; abrir as portas do templo do conhecimento e, conduzir-nos à transformação. Isso nos conduz muitas vezes em direção a percepções irreais e buscas infrutíferas. Ficamos na ilusão de que um dia isso possa acontecer com a gente, desde que trabalhemos com afinco em direção a esse encontro. Mas o tempo passa e você descobre que ele não vem. Ao menos não como fomos ensinados a acreditar.

Não encontrar o "mestre" ou, deparar-se com “falsos mestres”, pode gerar sentimentos de descrença em toda essa corrida pelo aprimoramento pessoal. Porque buscar um mestre é procurar uma verdade que ilumine a nossa existência. Mas qual é a verdade neste mundo tão heterogêneo? Quantas verdades baterão a nossa porta até que encontremos uma condizente com as batidas do nosso coração? O caminhar em direção a essa meta pode tornar-se cansativo, e nos fazer sentir inaptos para trilhar pela senda da espiritualidade. Mas diferente das histórias e dos livros, muitas vezes romantizados, onde o pupilo encontra o seu mestre, a busca para os indivíduos comuns continua, e poucos realmente o encontram. Não porque não estejam prontos, mas talvez porque não saibam exatamente por que, onde, como e o que procurar.

Então quem é o mestre, ou talvez fosse melhor dizer: o que é o mestre e aonde procurá-lo? O mestre dos livros seria alguém que percorreu caminhos ainda desconhecidos por nós e encontrou a “verdade”. Aquele que sabe algo que ainda não descobrimos, e que seja um veículo para a nossa iluminação. Mas, se descobrir subentende algo que está coberto, basta uma abertura das nossas mentes para descortinar os seus véus e revelar os seus segredos. E, se olharmos com atenção, o mestre não está tão longe assim, às vezes um passo à frente e você poderá tocá-lo sem o saber. Porque o óbvio é como uma mão invisível acenando em nossa direção, nem sempre conseguimos enxergar.

À medida que avançamos e nos abrimos para o aprendizado, os mestres se revelam. Mas isso significa deixar muita arrogância espiritual e intelectual de lado, um dos maiores empecilhos para esta jornada. Essa é uma das condições para o encontro entre o mestre e o aprendiz. O mestre surge no momento em que sintonizamos com a vida e com tudo que ela tem a oferecer. Você percebe que ele está em tudo e em cada um de nós. Que se faz presente a todo o momento, aonde quer que você esteja, aonde quer que você vá. Mesmo aqueles que nos causam “mal”, tem em nossas vidas a função de mestres, por mais difícil que seja aceitar isso. E, se você der uma olhada rápida a sua volta, verá que eles estão por aí, as centenas. Não existe conhecimento se não estivermos receptivos a ele e, sem isso, nunca haverá mestres.

A vida é simples, mas a caminhada requer esforço. Essa busca por alguém que nos leve pela mão e nos conduza ao aprendizado; alguém que ajude a cortar o caminho para a nossa evolução, está dentro de nós. Nós possuímos as chaves para as portas desse templo. E somente com a nossa permissão é que elas poderão ser destrancadas. Você pode estar diante de uma pessoa nobre e evoluída, capaz de oferecer muito à você, mas se você não abrir as portas do seu coração e da sua mente, nada acontecerá. Quando aquietarmos a mente e removermos o véu que cobre as nossas percepções, poderemos finalmente aprender com cada pessoa e com cada experiência. Quando lemos um livro, ouvimos uma palestra ou, seguimos os passos de alguém a quem admiramos, estamos apenas estabelecendo uma conexão com a nossa sabedoria interior, através de mediadores.

Somos todos mestres e aprendizes. Quando estamos receptivos ao que temos para compartilhar, nos revelamos mestres. Quando nos abrimos para ouvir o que o outro tem a dizer, somos aprendizes. E assim vamos ensinando e aprendendo. O princípio da prosperidade. O mestre está sempre ao nosso lado, dentro de nós, à nossa frente e, em todo o lugar. O mestre sou eu e você em continua alternância, dentro do Tao.


Por Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional

Um comentário:

  1. Olá querida,
    Lindo Blog! Textos caprichados e que nos fazem refletir.
    Adorei! Passarei mais vezes por aqui.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Muito Grata pela visita. Seus comentários enriquecem este espaço.