terça-feira, 28 de outubro de 2008

Astrologia na educação. Um caminho de orientação.


Sempre acreditei que o futuro depende do nosso agora e de como ele é conduzido. Ele é um grande oceano e você nunca sabe de onde pode vir à próxima onda, e para onde ela o irá levar. Ele é o resultado das nossas ações, vivenciadas a cada momento. Por isso o agora é tudo o que temos, e é com ele que devemos trabalhar. Plantar no agora, para colher nesse futuro de possibilidades.

Tudo que nasce desse plantar, traz consigo um potencial. Seja uma pessoa, um evento ou uma idéia. E este irá se revelar, a partir dos estímulos positivos e negativos que receber ao longo do seu desenvolvimento. Podemos exemplificar com a idéia da árvore. Semeada na terra para tornar-se uma árvore, o seu crescimento estará intrinsecamente ligado ao adubo que receber, as regas adequadas, a contenção das pragas, as podas e o ambiente, para que suas qualidades floresçam e possam ser oferecidas ao mundo.

Assim somos nós. Nascemos com um potencial que também necessita ser adubado e aguado, na medida certa e no tempo certo, podados sempre que necessário e, como não somos uma árvore, uma série de outros estímulos para que possamos concluir a meta para a qual nascemos. O primeiro e mais importante estímulo que recebemos provém dos nossos pais. Esse casal simpático que por vontade própria ou, das circunstâncias em que se envolveram ao ouvirem o chamado da natureza, resultou em você, em mim e em todos nós.

O nascimento de uma criança é um misto de emoções contraditórias, alegrias e preocupações. Daí vem à pergunta? Como educar e qual a medida, visto que, o que funciona com uma criança, não necessariamente irá funcionar com a outra. Como entender e descobrir as sutilezas de cada uma e, a partir desse conhecimento empreender uma educação mais assertiva. Quais as ferramentas disponíveis para isso? É importante investigar o que a sociedade moderna tem a nos oferecer. Investir na infância é investir no futuro e, portanto, em toda a sociedade.

Educar não é uma tarefa fácil, como obter o melhor desses pequenos para que se tornem grandes. E é aqui que eu apresento a velha e conhecida Astrologia. Instrumento para o auto conhecimento, pode ser de grande ajuda nessa tarefa de educar, desde que conduzida por mãos hábeis e amorosas. Na educação, a Astrologia pode atuar como uma ferramenta de orientação aos pais, para compreender melhor os seus filhos. Portanto, revela-se útil se aplicada com consciência, permitindo um estímulo aos potenciais e um empenho na superação das deficiências e limitações. Uma educação focada no respeito à expressão da individualidade e associada a consciência de que somos seres sociais, inseridos dentro de regras e acordos, gerará frutos maduros na vida adulta.

É preciso semear na terra fértil da infância um futuro melhor e mais feliz. Muitas vezes nos deparamos com situações de rebeldia e agressividade infantil, mas o que é isso se não uma resposta a um potencial que quer se expressar e ainda não encontrou o canal adequado. A natureza tem seus meios, e sempre buscará uma maneira de lançar ao mundo aquilo para o qual veio; por bem ou por mal. Você até pode achar que está dando "tudo" ao seu filho, mas o tudo que você dá, talvez não esteja de acordo com o "tudo" de que ele necessita. Qual o melhor caminho? O melhor caminho é aquele que considera os anseios do indivíduo; que respeita os seus ritmos; procura compreender as suas necessidades, e reconhece o seu direito de ser e a sua maneira de manifestar-se no mundo.

A Astrologia fornece um caminho de orientação aos pais, na educação dos seus filhos. Mas não podemos esquecer que, o entendimento só pode ocorrer na medida em que nos abrimos para compreender melhor a nós mesmos. Se cada um fizer a sua parte ampliando os seus horizontes, uma sociedade menos desajustada é uma possibilidade para o futuro. Para isso é preciso trabalhar com essa proposta, e isso requer esforço e dedicação. E vamos pensar, que melhor lugar para começar essa mudança se não no seio familiar.


Por Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional

terça-feira, 14 de outubro de 2008

"O Momento Zen"

Lá está você diante do horizonte, ar fresco, brisa suave, pássaros cantando. Ao longe, as árvores em vários tons de verde sacodem suas folhas, acompanhando o ritmo do vento. E você observa esse balancinho e entra na dança da natureza, sente uma grande alegria e deseja, por um segundo, perpetuar esse momento. Até que sem aviso, você é arrancado desse transe por um som distante. Olha para o lado, e nada vê. Volta-se para o horizonte, e percebe que o ar fresco e a brisa suave, para a sua surpresa, desapareceram. O oásis em que se encontrava de repente se transforma, e você registra um novo ambiente: o seu quarto. Onde você se largou, cansado, na noite anterior. Ainda atordoado percebe que tudo não passou de um sonho. O barulho sim, era real. Era o seu despertador, anunciando um novo dia. A noite de descanso acabou e, em desabalada carreira você parte em direção a sua maratona diária.

Quantos conseguem uma parada para relaxar. Às vezes nem em sonhos nos desprendemos da rotina. Aquela que nos tira do eixo e nos afasta de nós mesmos, nos afasta das pessoas. Como podemos parar por alguns instantes e respirar fundo; dar-nos um tempo; uma pausa para os pensamentos. A corrida pela sobrevivência fala tão alto que ficamos impedidos de escutar com atenção os sinais do corpo, os anseios do coração. E não percebemos que, esse parar por um instante, pode significar uma grande transformação em nossas vidas e, geralmente, para melhor no quesito qualidade. Mas para isso, precisamos abrir mão de algumas coisinhas as quais estamos presos. Coisinhas que, se olharmos atentamente, dá para viver sem. Mas quantos estão prontos para esse desprender? Quantos podem e quantos conseguem? As variáveis são tantas, que cada história merece uma atenção especial e uma solução diferenciada.

Suprimo-nos de muitos lugares para o descanso: retiros, spas, pousadas, hotéis, alguns mais afortunados, tem os seus próprios paraísos, na praia ou no campo. Recantos construídos com o propósito de nos desligar das turbulências da vida. Mas estes nem sempre estão ao alcance das mãos e, quando estão, é por pouco tempo. Quem pode, hoje, se permitir uma pisada mais longa no freio da vida cotidiana. Se para você isso é difícil, tem que começar a por a cabeça para funcionar, e buscar uma saída para incluir na sua vida "O MOMENTO ZEN". Isso não quer dizer que você terá que fazer meditação ou Yôga. Até porque não são práticas para todos os temperamentos. Momento zen é apenas uma alusão a um instante que pode ser reservado para você desconectar. O botão off das questões diárias. Um direito de esquecê-los, temporariamente, e armazenar energias para enfrentá-los mais tarde. Reflita sobre o que precisa ser mudado, e como pode começar a mudar. E não pense que para isso você precisa ter muito dinheiro, uma coisa nada tem haver com a outra.

Qualidade de vida são os pequenos atos do dia-a-dia que você vai incorporando na sua rotina, e que melhora você por inteiro. O seu momento zen pode ser qualquer coisa que o atraia e lhe dê prazer, tal como: andar de bicicleta, brincar com o cachorro, cozinhar, pintar ou, até mesmo, uma atividade rentável, porque para algumas pessoas é o que falta, quando ficar em casa é a rotina. Descubra o algo que está faltando e que pode ser inserido na sua vida para depois, antes ou durante toda aquela maratona de responsabilidades que você assume por obrigação. Observe a sua alimentação, ela é a base para todo e qualquer empreendimento; observe as suas emoções, elas precisam estar em ordem para você esgotar-se de prazer no que está fazendo. Crie e transforme esse espaço para você em um hábito, como o de escovar os dentes e tomar banho. Não dá pra ficar sem, não é?

Sei que falar é mais fácil do que pôr em prática, essa mudança requer para a maioria muito esforço e tempo. Às vezes não sabemos nem por onde começar. Mas cada um dentro da sua realidade precisa pensar sobre isso, mexer os seus pauzinhos, encontrar força e vontade para buscar uma solução. Qualidade de vida, não pode ser apenas um sonho para poucos. Estamos tão ligados no automático que esquecemos do essencial. Projetamos tantas coisas para o futuro, que esquecemos que a vida é o Agora. Ele é tudo o que temos e, é nesse agora em que vivemos que é preciso pensar. É nele que devemos construir, dia após dia, um espaço sagrado. Um espaço para você; para você com a sua família; você com os seus amigos. Estamos aprisionados a tantas coisas que acabamos esquecendo que quem paga a conta e o pato das nossas vidas, no final, somos nós. Por isso é importante sermos mais responsáveis em relação a ela, em relação às escolhas que fazemos todos os dias. Um movimento pequeno que seja, pode transformar o seu mundo em um lugar melhor para você viver, e para todos a sua volta. Porque você estando bem, o mundo ao seu redor fica bem, também.

Pare, feche os olhos e imagine que aquele sonho da brisa suave e pássaros cantando pode ser uma realidade, todos os dias, dentro de você.



Por Rosana Sidom - Astróloga e Terapeuta Vibracional